Vida de Estudante

Conheça o surpreendente êxito do sistema educacional finlandês

O sistema educacional finlandês está despontando como um dos melhores do mundo. Além dos resultados, a educação da Finlândia tem chamado atenção também pela inovação da sua metodologia de ensino e pela qualidade de vida que alunos e professores têm.

Mas o que o país faz de tão diferente nessa área? Neste post você vai conhecer alguns dos princípios da educação finlandesa e saber por que o Brasil tem motivos para se inspirar nesse modelo!

Universalidade do acesso à educação

O principal valor do sistema educacional finlandês é a educação como direito de todos. As escolas são, em sua maioria, gratuitas, financiadas pelos impostos pagos pela população. Além disso, o acesso é universal — todos os cidadãos têm a garantia de colocar seus filhos na escola.

Como um direito fundamental, a educação nesse país não está atrelada à capacidade econômica da família e nem a outras particularidades, como gênero e nacionalidade. As crianças de 7 a 16 anos estão incluídas no ciclo obrigatório e tanto a escola quanto os materiais escolares são fornecidos pelo governo.

Respeito à individualidade

Diferente da educação tradicional, o sistema finlandês não busca a homogeneização das turmas. Pelo contrário, as instituições educativas prezam pelo atendimento individualizado, ou seja, cada estudante é acompanhado de perto em suas potencialidades e dificuldades particulares. É respeitado o ritmo de aprendizagem de cada um.

Na Finlândia, a avaliação não se baseia no sistema de provas e pontuação. Os professores podem realizar exames para acompanhar a aprendizagem dos alunos, mas o principal método avaliativo são os relatórios. Assim, os docentes descrevem os processos de ensino e aprendizagem e os pais podem acompanhar a vivência dos filhos.

Autonomia do aluno

Outro diferencial importante do sistema educacional finlandês é que o ensino não se baseia na transmissão de conteúdos do professor para o aluno. Ao contrário, a autonomia do estudante é estimulada e o professor atua mediando a construção de novos conhecimentos.

A aprendizagem se dá, de forma geral, pela experimentação. Não existem as aulas tradicionais em que os alunos se sentam em fileiras e escutam o professor. Na Finlândia, professor e aluno atuam juntos pesquisando assuntos e vivendo experiências em projetos temáticos. Os estudantes são pesquisadores responsáveis pela própria aprendizagem.

As áreas de conhecimento não são vistas de forma isolada, mas integradas. Esse é um grande benefício para os estudantes, pois evita que eles tenham acesso a conteúdos fragmentados. Nas escolas finlandesas, em uma mesma pesquisa é possível aprender sobre geografia, história e matemática, por exemplo.

Mais do que as matérias escolares, os alunos finlandeses aprendem um valor fundamental para a vida adulta: a independência. Eles são vistos, desde cedo, como cidadãos autônomos capazes de fazer questionamentos, demonstrar interesses e construir conhecimento. Assim, desenvolvem diversas habilidades fundamentais.

Experiência colaborativa

Na Finlândia, os alunos e professores trabalham de forma colaborativa. Todos podem levantar um tema de interesse e propor novos projetos de pesquisa. A metodologia não está centrada no professor, mas é compartilhada com os estudantes. Todos dividem conhecimentos e aprendem juntos.

Nem todo o currículo é composto pela experiência colaborativa — ainda há a definição dos conteúdos pela gestão da escola e pelos professores. Mas em todas as instituições é obrigatório realizar esse trabalho em um ou mais períodos do ano letivo.

Colocando em prática esses princípios educativos, o sistema educacional finlandês de fato se torna uma referência para a educação mundial. Superar as limitações do modelo tradicional é muito importante. No Brasil, algumas instituições têm se espelhado nos avanços da Finlândia, como a Facig!

Quer saber mais? Leia nosso post sobre o curso de metodologia ativa oferecido aos professores da Facig!

You may also like
Descubra como funciona uma incubadora de startup
Por que investir em atividades de extensão na faculdade?
Descubra como funciona uma incubadora de startup

Deixe seu comentário

Seu comentário*

Nome*
Site

Share This