Carreira

Estágio não obrigatório: por que alguns cursos não exigem esta etapa.

Durante o período da graduação, a fim de intensificar o processo de aprendizagem da profissão, muitos estudantes ingressam no mercado de trabalho por meio do estágio. Existem duas modalidades diferentes para esse início profissional: o estágio não obrigatório e o obrigatório.

Ambos têm características específicas e são regidos pela Lei nº 11.788/2008. Não há registro em carteira, mas é assinado um acordo entre a empresa, o estudante e, em alguns casos, a instituição de ensino.

Para conhecer as especificidades de cada uma dessas modalidades, acompanhe o nosso conteúdo. Também abordaremos os motivos de alguns cursos optarem pelo estágio não obrigatório, enquanto outros exigem o cumprimento dessa etapa. Confira!

Quais as características do estágio obrigatório?

Ao falarmos do estágio obrigatório, a experiência profissional está estipulada pelo projeto pedagógico. Dessa forma, torna-se um requisito a ser cumprido pelo estudante para conseguir a aprovação e a obtenção do diploma.

Por ser obrigatório, toda a experiência é acompanhada por um professor. Ele supervisionará a atividade do estudante, aconselhando e indicando formas de atuação. Além disso, o aluno precisará relatar a experiência em um documento a ser avaliado pelo docente supervisor.

Para auxiliar o estudante, as instituições de ensino fazem parcerias com algumas empresas que ofertam oportunidades de estágio. Assim, a busca por uma vaga no mercado de trabalho é facilitada.

No mercado de trabalho, o estagiário terá um papel mais próximo de um observador. Afinal, essa etapa tem como objetivo principal fazer com que o estudante entenda a dinâmica da profissão.

Como é o estágio não obrigatório?

Ao contrário do anterior, essa modalidade não consta no projeto pedagógico do curso. Sendo assim, o estudante tem a opção de procurar oportunidades para desenvolver-se profissionalmente no mercado de trabalho ou exercer a prática por meio de atividades acadêmicas e projetos de pesquisa e extensão.

A instituição de ensino pode servir como mediadora, divulgando oportunidades em algumas empresas. Entretanto, não há interferência direta para que o aluno seja contratado. Sendo assim, é comum que o estudante precise passar por todo o processo seletivo.

Sem a obrigatoriedade, esse tipo de estágio não conta com a presença de um professor para supervisionar a atuação profissional. Sendo assim, em muitos cenários, o único mediador do desenvolvimento profissional é o chefe da empresa.

Quais as principais diferenças entre eles?

Além da obrigatoriedade e do envolvimento da instituição de ensino, essas modalidades de estágio apresentam outras diferenças entre si. Conheça!

Remuneração

O estágio obrigatório tem a remuneração como algo facultativo e cabe à empresa contratante a decisão no momento de ofertar a vaga. Em muitos casos esse pagamento é inexistente, devido ao curto período de duração do contrato.

Por outro lado, o estágio não obrigatório é remunerado com uma bolsa-auxílio. Ou seja, o estagiário não recebe um valor contratual, mas não tem direito ao 13º salário ou ao recolhimento do INSS.

Duração

Essas modalidades também diferem-se pelo período de contrato. Por estar diretamente associado à faculdade, o estágio obrigatório tem duração de um semestre. Caso o projeto pedagógico exija um período maior para a obtenção do diploma, o estudante poderá ser realocado para outras empresas.

Por outro lado, o estágio não obrigatório pode durar o período da faculdade em sua íntegra. Para tanto, é preciso um acordo de ambas as partes: funcionário e empresa.

Por que alguns cursos não possuem estágio obrigatório?

A obrigatoriedade da vivência profissional por meio de um estágio varia conforme a carga horária e a linha pedagógica adotada pelo curso. Por esse motivo, em alguns casos o estudante precisará cumprir essa etapa para conseguir a aprovação, enquanto para outras graduações, não.

Caso uma faculdade tenha uma carga horária com atividades extracurriculares, orientadas e de campo, é possível que não haja a obrigatoriedade do estágio, visto que é compreendido que essa etapa já será vivenciada pelo estudante durante a vida acadêmica.

Conversar com o coordenador do curso poderá ajudar o estudante a descobrir qual é o melhor momento de se candidatar para um estágio, além de saber a melhor maneira de aproveitar essa experiência associando aos aprendizados acadêmicos.

Independentemente do modelo adotado, o estágio é uma etapa importante. Aproveite a sua visita e leia nosso conteúdo sobre os benefícios proporcionados para o seu desenvolvimento na profissão.

You may also like
Pós-graduação pode aumentar salário em até 118%, diz pesquisa
Saiba mais sobre o promissor mercado de startups mineiro
Quais as melhores áreas da engenharia para ingressar no mercado de trabalho?

Deixe seu comentário

Seu comentário*

Nome*
Site

Share This